Já arrancou, em Alenquer, a primeira edição do Curso de Escanção

Escrito por em 14 de Março, 2024

Arrancou, no passado dia 4 de março, no Museu do Vinho, a primeira aula do Curso de Escanção. Na cerimónia que conjeturou o arranque deste período letivo do vinho estiveram presentes, além dos alunos, membros do executivo autárquico, da Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa e da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, entidades que tornaram possível este momento de aprendizagem.

Daniel Pinto, diretor da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste (EHTO), usou primeiro da palavra para agradecer o interesse na frequência de um ou mais módulos letivos que decorrerão todas as semanas, em Alenquer, primeiramente até 30 de julho. “Estamos a desenvolver o curso e a todo o momento poderemos e deveremos enriquecer este percurso de formação direcionado para o setor da enologia e serviço de vinho. Estamos muito satisfeitos por estar em Alenquer no Museu do Vinho e concretizar este objetivo coletivo, que é nosso, das instituições que aqui representamos. Estamos felizes por dar este passo na valorização do setor. Queremos valorizar a economia, o território, o conhecimento e as pessoas. É um curso muito exigente nos seus conteúdos e com oito módulos. Trabalhamos na nossa escola, mas queremos, cada vez mais, reforçar esta proximidade com os municípios, associações comerciais e empresas. Que seja uma boa experiência para todos”, desejou.

A apresentação do Curso de Escanção antecedeu, desde logo, a primeira aula: de Regiões Vitivinícolas de Portugal, lecionada pelo professor José Menezes de Almeida. Antes deste momento letivo, o Município de Alenquer fez-se representar nesta aposta do reforço da capacitação letiva local e regional pelos vereadores Tiago Pedro e Cláudia Luís, assim como pelo Presidente Pedro Folgado, que formulou as melhores expectativas para as 300 horas de aprendizagem durante quase um ano, cuja primeira parte sucede até ao final de julho. “Temos vários produtores, uns relativamente recentes no mercado e outros mais antigos e deveras conhecidos. Uns produzem milhões de litros de vinho e outros produzem menos. São todos importantes para a região. Por o serem, é que é relevante levarmos a cabo uma formação desta envergadura com as entidades que conhecem o meio como são a CVR Lisboa e a EHTO. Tudo o que possamos fazer no Município para potenciar o setor será sempre muito importante. Temos trabalhado com os produtores e estamos a potenciar cada vez mais o produto vinho no concelho de Alenquer. Os vinhos de Lisboa são tão bons ou melhores do que outros e as pessoas ainda os desconhecem. Temos de dar conta do produto de qualidade que têm à mercê”, reiterou o autarca, dando as boas-vindas à Terra da Vinha e do Vinho.

Pela Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa, Francisco Toscano Rico exaltou a atividade “maior” que o Museu do Vinho vai acolher. “Este é o trabalho mais importante que a CVR Lisboa pode fazer em Portugal. Sentimos que precisamos de mais gente capacitada e bem qualificada para estar neste setor, conhecedora do que são as regiões de Portugal, que conheça o enoturismo, as garrafeiras, a restauração, os distribuidores ou os produtores. Precisamos de mais gente e gente mais qualificada. Estou muito feliz por o curso acontecer aqui. Alenquer é quase a nossa Borgonha da região de Lisboa. O objetivo é que possam frequentar o máximo de módulos possível para saírem musculados na intervenção no terreno a posteriori”, frisou sobre a sexta edição da unidade formativa que está em curso.

Ser escanção obriga a um conhecimento sobre o vinho, a sua produção, a sua apresentação e harmonização, a decantação, entre outras valências que os alunos adquiram ou aprofundam neste período. No Museu do Vinho, de portas abertas desde 2006 e totalmente revigorado em 2018, as unidades letivas sucedem todas as segundas, terças, quartas e quintas-feiras, entre as 15h30 e as 18h30.


Faixa Atual

Título

Artista